Cidade de Faro: Teatro das Figuras

No ano de 2005, quando eu nem sabia que Faro existia, a cidade era escolhida Capital Nacional da Cultura em Portugal. Foi um evento de grande programação cultural que acabou por se espalhar pelo Algarve.

Chegou, inclusive, a receber uma delegação de 50 ministros da Cultura da comunidade europeia. 

Porém, Faro não ganharia só projeção nacional e internacional com isso. Sob a autoria do arquiteto Gonçalo Byrne, a cidade também ganhava naquele ano mais um teatro: o Teatro das Figuras.

PANO_20170616_203452
Teatro das Figuras | Foto: André Ries

Ele encontra-se logo na entrada da cidade e é facilmente visto devido ao tamanho do seu edíficio e pela sua arquitetura moderna.

É um recinto cultural de grande relevância na região do Algarve e no país, e vem se destacando por uma estratégia de programação diversificada: música e ópera, dança, teatro, novo circo e cinema, são algumas das áreas exploradas.

Uma experiência incrível.

No dia 8 de Abril de 2018, finalmente tive a oportunidade – e o prazer – de conhecê-lo.  Neste dia, o Yuri Barreto e eu fomos até o Teatro das Figuras para acompanhar o show da banda brasileira Liniker e os Caramelows.

O espaço é muito bonito e elegante.

Logo na entrada, existe um hall bem grande (que eu descobri se chamar foyer) onde localiza-se a bilheteria e as pessoas aguardam antes da abertura das portas e início do evento.

TMF_foyer_3
Foyer | Foto: Teatro das Figuras

O teatro conta com uma plateia de 762 lugares, e é considerada uma das mais importantes salas de espectáculos da região, “pela versatilidade do seu equipamento, que permite a apresentação das mais variadas e complexas produções e eventos em condições de excelência.”.

Porém, não ficamos exatamente na plateia. Fomos para a “galeria técnica”, um espaço mais elevado onde ficam fotógrafos, produtores de conteúdo e imprensa em geral.

IMG_1526
Vista elevada da galeria | Foto: Yuri Barreto

Ficamos neste local do teatro pois foram disponibilizadas duas acreditações para o blog. Fizemos cobertura com fotos e vídeos para nossas redes sociais: facebook e instagram.

Foi a segunda vez que o Vivendo em Faro participou de um evento como “veículo de comunicação”. A primeira, foi no Festival F, super recomendado e que ainda vai ganhar um post aqui no blog.

O show:

Engraçado que mesmo depois de dois anos em Portugal, ainda é possível enfrentar barreiras linguísticas com o português luso e o brasileiro. 

Fomos recebidos e acolhidos pela querida Elsa Cavaco, Responsável de Marketing e Relações Públicas do Teatro das Figuras. Ela nos levou até a galeria e explicou algumas diretrizes do show. Entre elas:

“A produtora do concerto da banda Liniker e os Caramelows autoriza a captação de vídeo e fotografias nos primeiros 3 temas do concerto.”

IMG_1605
Show do Liniker e os Caramelows | Foto: Yuri Barreto

Temas? Eu nunca tinha ido em um show dentro de um teatro, achei que podia ser dividido em diversas partes. Já havia conhecido o Teatro Lethes, mas fui para uma visita guiada e uma peça de comédia.

Precisei ser sincero com ela e dizer que não entendia o que queria dizer. E a questão era mais simples do que imaginava. Eram as músicas! Só podíamos produzir conteúdo para as três primeiras faixas do show.

Além do seu funzy, termo criado por eles mesmos para definir a sua MPB – “música preta brasileira”, uma mistura de R&B e soul americanas com as raízes da música brasileira e africana, podemos aproveitar toda a presença de palco e simpatia do Liniker e seus companheiros. 

O show superou as expectativas. A banda criou um ambiente muito descontraído e foi possível ver pessoas em pé, próximas ao palco, criando uma sinergia muito boa entre ela e o público. No fim, era possível ver pessoas comentando que nunca tinham visto esse tipo de coisa no Teatro das Figuras. Geralmente as pessoas assistem e ficam nos seus lugares durante todo o espetáculo.

Essa informalidade deliciosa só podia vir do Brasil. 

IMG_1825
Fim do show da banda Liniker e os Caramelows | Foto: Yuri Barreto

Faro não para por aqui.

A cidade, agora, quer concorrer para Capital Europeia da Cultura de 2027. Uma equipe já vem sendo formada para a elaboração da candidatura. O mais interessante é que está marcado para o dia 8 de Setembro de 2018 um debate aberto à comunidade para se falar sobre essa proposta.

Enquanto isso, a região vem desenvolvendo e incentivando esta que é uma área muito importante para a sociedade e que faz parte dos valores do blog Vivendo em Faro.

O próprio Teatro das Figuras faz parte de uma rede chamada Rede AZul – Rede de Teatros do Algarve: uma rede informal que tem por missão programar e apoiar a criação e a produção cultural regional, tendo em vista a circulação artística na região, rentabilizando as infraestruturas existentes e reforçando a oferta cultural regional, assim como permitir receber no Algarve produções nacionais e internacionais.

A rede contempla mais 10 participantes: Auditório Municipal de Albufeira, Auditório Municipal de Lagoa, Centro Cultural de Lagos, Cine-teatro Louletano, Auditório Municipal de Olhão, TEMPO – Teatro Municipal de Portimão, Cine-teatro de São Brás de Alportel, Teatro Mascarenhas Gregório (Silves), Teatro António Pinheiro (Tavira) e Centro Cultural António Aleixo (Vila Real de Santo António).

Fique por dentro!

Para quem chega e não conhece muito, sugerimos acessar a Viral Agenda para saber um pouco mais sobre tudo que acontece em Portugal (podendo-se filtrar por cidade). 

Através da nossas redes sociais, também procuramos informar sobre eventos na região do Algarve e, principalmente, em Faro.

“A cultura está acima da diferença da condição social.” (Confúcio)

Obrigado pela leitura! Para mais conteúdos, acesse: Facebook e Instagram.
 
 
 
 

5 motivos para morar em Faro

Já perdi as contas de quantas vezes ouvi “Você gosta bastante de morar em Faro, né?”.

Sim, eu amo morar aqui!

Nesse post eu vou tentar explicar os motivos que fizeram eu me apaixonar por essa cidade e também pela região do Algarve.

Antes, quero salientar que essa é a minha opinião. Admito que existam pessoas que não se identifiquem com o estilo de vida encontrado por aqui. O ritmo é bem diferente de Lisboa ou Porto, por exemplo.

Mas a verdade não é absoluta, e cabe a cada um de nós saber o que quer e aquilo que não abre mão na vida. antes que eu continue com mais filosofia barata, vamos ao que interessa:

1. Segurança

A cidade de Faro é muito tranquila. Nunca, desde que cheguei em 2015, me senti ameaçado por qualquer pessoa. A verdade é que por aqui, eu posso andar na rua a qualquer hora do dia. E quando eu digo “dia”, me refiro às 24h que ele possui.

Eu estudo à noite, algumas vezes saio até 00h da universidade, e volto caminhando com os fones de ouvido, ouvindo minhas maravilhosas playlists do Spotify, hahaha. 

pexels-photo
Se a vida é um filme, precisa de trilha sonora | Foto: pexels.com

A mesma coisa acontece quando, por exemplo, saio de alguma festa ou bar na Baixa de Faro, e volto para casa de madrugada. Claro que nenhum lugar é perfeito, e devemos ter cautela algumas vezes.

Alguns anos atrás, a Universidade do Algarve, PSP (Polícia de Segurança Pública) e o órgão de Turismo do Algarve assinaram protocolos para o projeto “Algarve: destino seguro”, que busca a revisão e melhoria contínua da segurança na região, não só na época do verão, onde a população cresce quase cinco vezes. Saiba mais.

Agora, se eu paro para pensar em como era minha vida em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, eu dou muito valor para o que tenho aqui.

Lá, eu saía de manhã para trabalhar com os fones de ouvido na mochila pois não gostava de ficar desatento com medo de ser surpreendido. Eu precisava me cuidar o tempo todo.

Quando a gente conhece a paz, não queremos nunca mais a guerra.

E essa questão não se restringe apenas a poder ouvir música. Aqui, tenho mais tempo e tranquilidade para poder observar as coisas boas da vida: a arquitetura dos prédios, um pai ou uma mãe passeando com os filhos, ver como o céu e suas formas são incríveis, assistir um pôr-do-sol, entre outras coisas.

IMG_20170829_200643
Skatepark de Faro | Foto: Yuri Barreto

2. Clima

Por falar em pôr-do-sol, o clima é algo realmente especial por aqui. Com uma média de mais de 300 dias de sol por ano, são também mais de 300 dias com um fim de tarde mais bonito que o outro.

IMG_20180103_172805
Ria Formosa, Faro | Foto: André Ries

Durante o inverno, que começa em 21 de Dezembro e vai até 20 de Março, as temperaturas diminuem. Para mim, que sou do sul do Brasil, elas são bem tranquilas. Isso não quer dizer que eu não sinta frio. Só não é novidade mesmo, haha. Com temperaturas entre 5°C e 16°C, às vezes sensações térmicas são um pouco menores, e é quando temos alguns períodos de chuva.

IMG_20180304_095016
Praça do “Seu Café”, Faro | Foto: André Ries

A primavera é o período mais seco do ano e quando as temperaturas começam a subir. Nessa época, ao sol, chega a fazer 28ºC. Acontece entre 20 de Março e 21 de Junho. É nessa altura que também entramos no horário de verão.

IMG_20180304_105900
Passeio do Ribeirinho, Faro | Foto: André Ries

Pulando já para o outono, o clima mais uma vez fica ameno, bom para quem não é tão chegado no forte do calor. Ocorre entre 21 de Setembro e vai até 20 de Dezembro, num momento em que a região acaba por ser muito procurada para a prática de golfe. Sabia que o Algarve é o melhor destino de golfe da Europa?

Ah, e o verão! Deixei ele por último não foi à toa. Época mágica do ano. Podemos desfrutar do sol durante 12h por dia, temperaturas bem altas e uma brisa costeira. Oficialmente, ele começa dia 21 de Junho e vai até 20 de Setembro, mas às vezes, em Março, já estamos indo para a praia. Na minha opinião, é o melhor momento para aproveitar as belezas naturais deste lugar.

DSC_0143
Praia de Faro | Foto: Yuri Barreto

3. Praia de Faro

E é no verão que vemos o movimento crescer e o Algarve ficar muito cheio. Faro não fica para trás, até porque possui um Aeroporto Internacional, que é a principal porta de entrada da região.

Já não bastasse ser uma cidade pacata, segura e com ótimo clima, ela tem uma praia que fica a 15min de carro do centro! De ônibus ou barco, uns 30/40min. A pé dura um pouco mais, em torno de 1h30min, mas vale muito a pena, inclusive ainda vou fazer um post sobre esse passeio.

A Praia de Faro, que já ganhou post falando sobre ela, chama muito atenção por ter o lado do mar e o lado da Ria Formosa e, por isso, também é chamada de Ilha de Faro. Muito basicamente, a ria é um ecossistema de água salgada e vegetação que separa as praias das cidades.

IMG_20180107_145031
Praia de Faro: lado do mar

IMG_20180107_144817
Praia de Faro: lado da ria

Ela é simples, não tem falésias ou grandes pedras. Mas é de-li-ci-o-sa! Se bem que eu sou suspeito, porque amo praia mais que chocolate.

Assim como a Praia de Faro, as ilhas do Farol, Deserta e Culatra estão aqui por perto, e também possuem o lado da ria e do mar, mas só podem ser alcançadas de barco.

IMG_20180218_171954
Ilha Deserta | Ao fundo, Ilha do Farol | Foto: André Ries

4. Pessoas

Como já comentei antes, no verão a população se multiplica. Os hotéis ficam lotados, diversos eventos acontecem por aqui e muitas vezes parece que não estamos mais em Portugal.

São tantos franceses, ingleses, alemães, espanhóis e italianos, entre outras nacionalidades, que o idioma português quase não é ouvido. E o turismo vem crescendo também fora da época alta.

Entretanto, não são apenas os turistas que nos fazem “trocar a chave” do idioma. Os estrangeiros marcam presença durante o ano letivo. Todo semestre cresce o número de alunos de intercâmbio da universidade.

Portanto, engana-se quem vem para Portugal para falar apenas português. Saiba que é preciso saber pelo menos inglês, inclusive por questões profissionais.

Aqui, também recebemos muitos alunos brasileiros. E temos dois tipos de estudantes, intercâmbio e os “ENEMs“. Enquanto os primeiros ficam entre 6 meses ou 1 ano, quem vem pelo exame nacional brasileiro é para realizar todo o curso (3, 4 ou 5 anos).

Por fim, e muito obviamente, temos os portugueses. Moradores, turistas e estudantes. Temos muitas coisas parecidas e muitas outras diferentes. É um povo muito acolhedor e que vem se acostumando com o novo perfil de brasileiros que estão vindo para Portugal: estudantes de ensino superior, mais qualificados e com ambições diferentes do perfil antigo dos anos 90.

12091227_1192923237391349_7644578360271291000_o
Conexão Brasil-Portugal da residência universitária (2015)

Infelizmente, sei de casos de preconceito, mas vejo isso como exceção, e não como regra (falo isso porque recebo muitas perguntas sobre esse assunto).

Mas enfim, se tem uma coisa que eu gosto é de pessoas. É muito bom conhecê-las.

A gente aprende tanto com elas. O choque de realidade, cultura, hábitos, ou seja, diferenças em geral, é muito enriquecedor. Mais que qualquer universidade vai te ensinar.

São tantas histórias engraçadas, supreendentes e marcantes que vivi ou ouvi, que já perdi as contas. Poderia aqui listar diversas pessoas, mas sei que cometeria a injustiça de esquecer alguém.

Eu, como cheguei em Faro sem conhecer absolutamente ninguém, zero mesmo, decidi que só havia uma opção. Ressocializar. Conheci gente de vários estados do Brasil, do México, Colômbia, Turquia, Ucrânia, China, Inglaterra, Polônia, Espanha, Itália, França, Áustria, entre muitos outros.

Portanto, fica aqui a minha dica. Faça tudo que puder para conhecer e ser conhecido. Nas salas de aula, nos eventos e organizações dentro da UAlg (como Associação Académica, Erasmus Student Network, Troféu do Reitor, voluntariados, etc.), se possível Couchsurfing.

18620651_1743573955659605_3562379394654764578_o
Equipe ESN Galaxy: Brasil, Portugal, França, Espanha e Cazaquistão representados (2017)

5. Oportunidades

Por falar em pessoas, admito que já conheci quem não tenha gostado de Faro. Exatamente por isso, falei logo no começo que esse post se tratava da minha opinião.

Em geral, o que escuto é: “não tem nada para se fazer em Faro”.

De fato, a cidade é pequena, em torno de 45 mil habitantes. 60 mil se contarmos os distritos em volta.

As opções de bares, festas, restaurantes e cafés não são infinitas como em metrópoles como Lisboa. Conta apenas com um shopping que possui cinema, algumas lojas famosas, redes de resturantes mundiais, etc.

Um hospital público que funciona razoavelmente bem.

Programação cultural o ano todo, como por exemplo no Teatro Lethes.

Encontra-se uma estação de trem e outra de ônibus (além do já mencionado aeroporto), que levam para vários lugares de Portugal e da Europa.

PANO_20160917_185322
Braga, norte de Portugal | Foto: André Ries

E uma universidade que está crescendo.

Desde 2015, quando cheguei, acompanho o número de alunos da UAlg. Se falarmos dos brasileiros ENEM, os número aproximados são 40 alunos em 2015, 180 (2016), 220 (2017) e a perspectiva é de crescimento para 2018De outros países, e não só europeus, também estão crescendo. Inclusive, está no plano estratégico da instituição uma progressiva internacionalização. Mesmo caso para os estudantes portugueses.

O número total de alunos em 2014, era algo em torno de 7.800.

Hoje, estamos indo para os 10.000!

No que tange ao turismo, cada vez mais vemos turistas passeando pelas ruas de Faro e do Algarve em Março, Abril, Maio.. Setembro, Outubro, Novembro. Ou seja, na época de baixa procura.

De qualquer forma, em vez de apenas reclamar e ficar parado, prefiro pensar que onde não há “nada”, existe oportunidade de surgir algo novo.

Eu já achei algo novo por aqui. Algo que, infelizmente, não tinha no Brasil.

… a tão famosa qualidade de vida!

IMG_20180107_143718
Caminho para a Praia de Faro | Foto: André Ries

 
Gostou? Então compartilha! Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook e Instagram.

Matrícula na Universidade do Algarve: passo a passo

Bom, se tu vens até este post, provavelmente é porque os resultados saíram e tu foste aprovado na Universidade do Algarve.

Resultados: 1ª fase, 2ª fase e 3ª fase (7 de Maio a 8 de Junho de 2018).

Se não, saiba como se candidatar utilizando a nota do ENEM.

Antes de mais nada, MEUS PARABÉNS!

Agora começam os transtornos de ansiedade e insônia, hahaha! Eu sei, também passei por isso. É matrícula, é passagem, é visto, é lugar pra morar, é cálculo pra saber se o dinheiro vai dar.

Muito bem, sobre a matrícula, vejo que as dúvidas são basicamente as mesmas. Por isso, aqui vai um passo a passo de como realizá-la:

1. Pagamento

bank-note-209104_1920

Para confirmar a sua matrícula, tu obrigatoriamente deves realizar – dentro do prazo – o pagamento da taxa de matrícula e taxa de inscrição: €500 + 25€. Esse valor não é reembolsável.

O restante do valor das propinas, começas a pagar somente em Outubro.

Isso pode ser feito através do serviço PayPal ou por transferência bancária internacional. No dois casos, a UAlg disponibiliza os dados necessários.

Para a segunda opção, tu tens de ir até a agência do teu banco aí no Brasil para saber como se realiza essa operação (alguns bancos permitem que seja online; outros, apenas na própria agência).

Não há problema se a conta bancária estiver em nome de outra pessoa, como por exemplo os teus pais.

2. Envio do comprovante

Enviar para o email acad@ualg.pt o comprovante do pagamento, com o teu nome completo e curso que foste aprovado (ou aquele que escolheste, caso tenha tentado mais de um).

Os Serviços Académicos irão retornar o email com a confirmação da tua matrícula.

Mas atenção, é normal a resposta demorar a chegar (até duas semanas) pois são muitos emails enviados nessa altura. Eles também têm alunos portugueses e de outros países com outras solicitações.

Portanto, não esperem que eles confirmem que receberam o comprovante, pois eles não vão fazer isso. Se após duas semanas do envio, o retorno não chegar, então podes entrar em contato.

servicos-academicos
Serviços Académicos – Campus da Penha (Foto: ualg.pt)

3. Envio dos documentos

Em relação aos documentos que devem ser enviados por correio, a universidade pede que sejam as cópias apostiladas do histórico escolar e certificado de conclusão do ensino médio. Em geral, ambos estão em um só documento.

E quando vires para Portugal, traga os originais.

Porém, sabe-se que nem todas as cidades do Brasil possuem cartórios que façam esse procedimento. E a UAlg não obriga ninguém a viajar até alguma capital para o fazer. Nesses casos, a autenticação em cartório basta.

Além disso, uma cópia do documento autenticada do passaporte ou outro documento de identificação utilizado na candidatura, e as notas do ENEM impressas e, também, autenticada.

Assim como o apostilamento, alguns cartórios não autenticam as notas do ENEM. Nesse caso, podes enviar apenas a impressão.

naom_59478f9fb2360

Em 2015, acho que paguei, no envio, não mais que R$50,00 em um Sedex “normal”. Os documentos podem chegar depois do prazo final de matrícula. Mas não mais que 15 dias após o fim do prazo.

OBS: o envio, a partir de 2018, é obrigatório. Tu deves trazer os originais e apresentar presencialmente nos Serviços Académicos quando chegares (só reforçando).

O endereço para onde deves enviar: Serviços Académicos – Universidade do Algarve, Estrada da Penha, 139, 8005-139 Faro.

Por que o envio pelo correio? Dois motivos: primeiro, porque pode ter algum problema nos documentos. Apesar de não ter acontecido comigo e, particularmente, não saber de nenhum caso, é preferível jogar no seguro. Por vias das dúvidas, melhor estar ainda no Brasil para resolver, do que aqui em Portugal. Além disso, a gente tem tanta coisa para resolver quando chega aqui em Setembro, que é melhor já ter isso “despachado”.

 

4. Confirmação

Quando a UAlg retorna o email com a confirmação da matrícula, ela também envia uma carta de aceite, documento utilizado para solicitar o visto de residência para estudos.

Caso aconteça alguma situação que atrase o teu processo, não hesites em enviar email para os Serviços Académicos. Eles são muito compreensíveis, sabem que ocorrem diversas situações e não vão tirar a tua vaga caso exista um motivo plausível.

Também, é possível solicitar uma “declaração para fins de residência”, necessário para o visto. Porém, entretanto, todavia, essa declaração não garante uma vaga no alojamento universitário.

Para 2018, será aberto um período de candidaturas para as residências da UAlg. As datas e procedimentos serão informados por email.

swimming-79593_1920
Acabou!

Viu? Não é tão complicado. O que acontece é que nesse momento estamos correndo contra o tempo para que fique tudo pronto. Mas tente ter calma, seguir essas indicações e tudo vai correr com tranquilidade.

Por fim, deixo aqui o meu cumprimento mais uma vez pela tua vaga. Espero, sinceramente, que tu gostes daqui tanto quanto eu.

IMG_20180116_174356

Seja bem-vindo e te espero no Algarve!

E aí? O passo a passo ajudou? Para mais conteúdos, confira nosso Facebook e Instagram.

 

Cidade de Faro: Aeroporto de Faro

Uma das coisas mais interessante sobre Faro é o fato de termos um aeroporto aqui na cidade, mesmo ela sendo pequena.

Se tu ainda não sabes, Faro é a capital do Algarve, sul de Portugal.

São diversos vôos, principalmente de e para a Europa. Mas também é possível vir do Brasil e descer aqui.

Atualmente, o Aeroporto Internacional de Faro é o terceiro maior aeroporto em termos de tráfego em Portugal logo a seguir ao Aeroporto Humberto Delgado (situado em Lisboa) e ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro (situado no Porto) .

Ele vem passando por reformulações e ampliações ao longo dos anos de modo a suportar o aumento do movimento de passageiros devido ao crescimento do turismo na região.

Grande parte desse aumento deve-se à presença de companhias low-cost.

Companhias que oferecem baixas tarifas eliminando custos derivados de serviços tradicionais oferecidos aos passageiros, baseando-se na simplicidade do serviço sem distinção de classes. (Wikipedia)

Por exemplo, não há refeições inclusas no vôos e existem restrições para bagagens.

Pois bem, quando tu escuta que na Europa é super barato e fácil viajar, provavelmente estão falando dessas empresas. É muito frequente elas disponibilizarem passagens muito baratas (por exemplo, 20€ ida e volta para Londres) durante todo o ano.

A mais conhecida, Ryanair, divide espaço com Easyjet, Germanwings, entre outras.

A empresa ANA é quem faz a gestão do aeroporto.

Essa empresa possui um projeto muito interessante chamado All In South.

Ele visa compartilhar conteúdos de interesse para estudantes universitários da região sul, tendo por objetivo facilitar a sua integração e experiência de vida por aqui.

Inclusive, é um parceiro do blog Vivendo em Faro.

Vai para onde?

 

MQ_ANA_Allinsouth_Infografia_Destinos_Europa_PT
All In South – Dicas de viagem para partir de Faro

 

Transporte de/para o aeroporto:

Do centro de Faro, a única opção de transporte público que te leve ao aeroporto é ônibus.

As linhas 16 e 14, da empresa Próximo, são as que levam até lá. Ambas vão para a Praia de Faro, mas fazem uma parada no aeroporto.

O ponto de ônibus fica mesmo em frente do parque de estacionamento. A viagem dura entre 15 e 20 minutos.

De carro, táxi ou uber, a viagem pode ser ainda mais rápida, em torno de 10 minutos. Os valores para as duas últimas opções giram entre os 10€ e 15€.

Aluguel de automóveis:

É no aeroporto que concentra-se a maioria das rent-a-cars, para empréstimo de veículos.

Cada empresa possui suas respectivas regras e valores, variando conforme modelo, tamanho, combustível, etc.

Algo que pode atrapalhar os estudantes é que para motoristas até os 25 anos, os preços são mais caros.

Além disso, para obter uma boa tarifa, é necessário um cartão (com muito) crédito para o seguro. Caso contrário, a diária aumenta, mas ainda assim pode ser acessível.

Auge no verão:

Por conta das suas belíssimas praias e ótimo clima, o Algarve é muito procurado por turistas no verão. Nesta altura, a população da região tri-pli-ca.

Isso faz com que o aeroporto seja um dos que mais contrata sazonalmente.

Estudar e trabalhar em Portugal? Saiba mais aqui!

São muitas vagas disponiblizadas, e as empresas começam a se estruturar a partir de Março.

São os britânicos que constituem a principalmente fatia dos turistas presentes no Algarve, portanto é imprescindível saber falar inglês por aqui. Outros idiomas, melhor.

Dúvidas? Comente!

 

5 motivos para estudar na Universidade do Algarve

1. Ela está em Portugal!

Essa frase pode parecer óbvia, mas o que queremos dizer com isso é que Portugal nunca esteve no centro das atenções da Europa e, talvez, do mundo como atualmente.

São vários os motivos para isso.

Na área do turismo, vem se destacando pela qualidade dos serviços e pelos baixos custos, além de ter se tornado alternativa a outros destinos que sofreram ataques terroristas, como França e Inglaterra. Por falar nisso, o país foi considerado o 3º mais pacífico do mundo.

E ainda vem sendo reconhecido como um polo tecnológico. Diversas empresas de tecnologia e startups estão sendo criadas ou trazidas para cá, com Lisboa sendo o foco, inclusive recebendo o WebSummit desde 2016, uma das mais importantes conferências europeias de tecnologia, empreendedorismo e inovação.


 

2. Vais ter contato com uma maneira diferente de ensino.

Caso tu já tenha feito faculdade no Brasil, verás que por aqui existem algumas coisas semelhantes, mas outras nem tanto.

Pra começo de conversa, o 1º semestre começa em Setembro e vai até o fim de Janeiro, com um break para as festas no fim do ano. E o 2º começa em Fevereiro e vai até o fim de Junho (com pausa para o Carnaval e Páscoa).

Depois, você terá aulas onde será dada matéria (com uma dinâmica de aula muito parecida com a brasileira), mas também terá tutorias, que são momentos com os professores para tirar dúvidas sobre o conteúdo e fazer mais exercícios (podendo variar conforme o professor e/ou a disciplina).

Por fim, e talvez tu tenha percebido, os semestres são, na verdade, quadrimestres. Ou seja, não dá muito tempo de aula não. E, por isso, a cultura aqui é de que o aluno estude bastante fora da sala de aula, sendo incentivado a utilizar as bibliotecas e salas de estudo.

especial_eu.jpg
Biblioteca: o refúgio dos alunos em época de provas

3. Podes praticar atividades físicas dentro da universidade.

O Gabinete de Desporto da Associação Académica da Universidade do Algarve promove diversos eventos esportivos durante o ano. Logo no começo dos semestre, ocorrem vários “open days” para os alunos que queiram experimentar algumas modalidades.

Ela também organiza torneios internos, conhecidos como Troféu do Reitor, de futebol 11, futebol 7, futsal, basquete e vôlei, onde devem ser criadas equipes de cada curso e que jogam entre si. A exceção fica para o time ESN Galaxy, formado por alunos internacionais e que pode misturar os cursos.

Além do mais, existe o programa “Faz Desporto”, que incentiva a prática de atividades e hábitos saudáveis como complemento da vida acadêmica, oferecendo aulas gratuitas e outras com preços muito em conta.

A associação ESN Algarve também organiza eventos de esporte ao longo do semestre, como podem ver abaixo.

4. Tens a possibilidade de realizar um (outro) intercâmbio!

Sendo um aluno ENEM, tu utilizas um método diferente de ingresso, mas é considerado um aluno regular da Universidade do Algarve.

E, portanto, tens direito a fazer seis meses ou um ano de intercâmbio para estudar em outro país e universidade, seja licenciatura, mestrado ou doutorado.

A UAlg possui protocolos com diversas instituições ao redor do mundo e tu podes, inclusive, ganhar uma bolsa se for para estudar aqui pela Europa através do programa Erasmus +.

Pode até dividir: seis meses em um país e seis em outro! E quem cuida de tudo isso é o GRIM (Gabinete de Relações Internacionais e Mobilidade).

25287025_1518821301530347_1466217968_n
À esquerda, Luna Miranda, estudante de Psicologia na UAlg, realizou intercâmbio durante um ano em Granada (Espanha) e pôde conhecer vários lugares, como Sierra Nevada, nesta foto.

5. Vais “Estudar onde é bom viver”.

Esse é o slogan da UAlg e, cá entre nós, muito pertinente.

A cidade de Faro, e a região do Algarve, é muito aconchegante e acolhedora. São mais de 300 dias de sol por ano, e 300 dias de pôr-do-sol! O verão é maravilhoso, o inverno é ameno. As paisagens são estonteantes, as praias deliciosas.

Um lugar onde pode-se fazer praticamente tudo a pé, e que conta com um aeroporto internacional, estação de trens e rodoviária. Não há perigo nas ruas, os carros param na faixa de segurança. O custo não é alto, mas a qualidade de vida sim.

E as pessoas? A comunidade brasileira já é muito grande, o português é muito receptivo (embora pessoas ignorantes existam em qualquer lugar do mundo), e os outros estrangeiros sempre têm alguma boa história pra contar.

Te convenci? Então começa a te PLANEJAR!


 
Continue lendo “5 motivos para estudar na Universidade do Algarve”

Como chegar em Faro?

Onde estamos?

Se tu ainda não sabes, a cidade de Faro fica ao sul de Portugal, e é a capital da região do Algarve.

A cidade conta com um aeroporto internacional, uma estação de trem e uma estação rodoviária.

Como viajar?

Bom, a primeira opção é chegar de avião. O aeroporto recebe vôos de diversos países da Europa, além de outras localidades, como por exemplo o Brasil. Como as passagens aéreas têm preços muito voláteis, apenas indicamos que compre-se com maior antecedência possível para que menor seja o preço.

Agora, caso tu desça no aeroporto de Lisboa (o que às vezes sai mais em conta), tu podes pegar um trem (comboio) ou ônibus (autocarro) e ir para Faro. Os dois demoram entre 3 a 4 horas de viagem.

Se a escolha for o trem, a passagem pode custar €22,60 ou €21,60. A opção mais barata vai parando em mais cidades e, consequentemente, demora meia-hora a mais.

Mas uma informação importante: se tu tiveres até 25 anos, ganha desconto, e a passagem fica €17,80 e €16,50, respectivamente. Se comprares com antecedência de 5 dias, podes conseguir bilhetes mais baratos ainda.

Outra destaque é a pontualidade: 8h23 é 8h23 e não 8h25 ou 8h30.

 

Caso tu prefira ir de ônibus, o bilhete inteiro custa €20. Para estudante também é €17. O tempo de viagem é praticamente o mesmo. Em Faro, as duas estações são praticamente uma do lado da outra, portanto o que vai mudar é o local de partida em Lisboa.

Nessa altura do campeonato tu deve estar se perguntando como chegar até as estações.

Muito simples: táxi. Mais simples ainda? Existe uma estação de metrô praticamente dentro do aeroporto, e ela te deixa tanto na estação dos trens (comboios) como de ônibus (autocarros).

A estação Oriente, a do trem, fica apenas três estações depois. Segundo o site do metrô, a viagem não demora nem 10min. Claro que deve-se levar em conta o tempo de deslocamento e compra da passagem – que por sinal custa €1 e qualquer coisa.

Sem Título

Já a estação dos autocarros fica na Praça Marechal Humberto Delgado e tu tem que ir até a estação Jardim Zoológico. Como pode-se ver no mapinha acima, é preciso fazer uma troca de linha, mas não tem mistério. O percurso demora em torno de 31min. Nela, fica o terminal da Eva Bus, uma das empresas que eu conheço e que faz viagens pelo Algarve também.

A minha chegada.

Bom, agora deixa eu contar um causo: quando eu vim para Portugal, peguei o vôo em Guarulhos e desci em Lisboa. Chegando lá, não quis pegar um táxi para “economizar”. Escolhi pegar o metrô e ir até a estação dos trens. O problema é que eu estava com duas malas muito pesadas. Não, o problema não foi nem carregar porque têm vários elevadores para descer e subir. O que estragou (literalmente) minha chegada foi quando eu fui entrar no metrô. Quando ele para na estação, fica um vão entre ele e a plataforma. No momento que eu entrei a rodinha de uma das minhas malas trancou e eu fiz força para puxar. Quando eu vi, a alça arrebentou e fiquei só com ela na mão. A porta tentou fechar e não conseguiu. Juntei minha mala e entrei. Tive que vir até Faro com ela “no braço”.

Dúvidas? Comente!

Trabalhar e Estudar em Portugal

Se tu, assim como eu, tens vontade de estudar em Portugal, mas precisa trabalhar para se manter financeiramente, esse post é para ti.

Sugestão: monte um currículo no formato Europass.

Depois, se tu vens com visto de residência para estudo, é preciso fazer uma comunicação para trabalhar com contrato. Essa comunicação deve ser feita ao SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras). É o mesmo local em que tu trata do visto e título de residência.

Tu encontras esse departamento em várias cidades, geralmente dentro da Loja do Cidadão, local onde tu pode resolver várias questões de documentação. Em Faro, ela fica no 2º andar do Mercado Municipal.

IMG_20180405_191247.jpg
Mercado Municipal de Faro | Foto: André Ries

[googlemaps https://www.google.com/maps/embed?pb=!1m18!1m12!1m3!1d3185.5753745511784!2d-7.930881684703923!3d37.01992527990389!2m3!1f0!2f0!3f0!3m2!1i1024!2i768!4f13.1!3m3!1m2!1s0xd0552c50f7615f1%3A0xeb820e5eb89822a5!2sLoja+do+cidad%C3%A3o+de+Faro!5e0!3m2!1spt-PT!2spt!4v1520115783327&w=600&h=450]

Porém, não basta chegar no local e simplesmente avisá-los. Tu vais marcar uma data e horário (presencialmente ou pela internet) para comparecer com alguns documentos:

Além do visto, passaporte e comprovante de moradia, é preciso entregar um atestado da universidade que mostre o horário das tuas aulas e um contrato ou documento fornecido pela empresa onde apareça teu o horário de trabalho.

O intuito é de que eles analisem o horário de trabalho com o da faculdade e vejam se é compatível. Caso esteja tudo ok, eles emitem um novo documento.

Burocracia:

Essa parte já foi mais chata. Hoje em dia, o processo de marcação e entrega de documentos é razoavelmente rápido. Em anos anteriores, quando era necessário uma autorização, perdíamos muitas vagas por demorar em torno de 40 dias.

O tempo de espera varia conforme a disponibilidade do SEF, mas até a última vez que ouvi não era mais que uma semana.

Para além disso, caso seja a primeira vez que tu trabalhas em Portugal, a empresa onde vais trabalhar, deve solicitar à Segurança Social a criação de um número pra ti.

A SS, de acordo com o próprio site, “é um sistema que pretende assegurar direitos básicos dos cidadãos e a igualdade de oportunidades, bem como, promover o bem-estar e a coesão social para todos os cidadãos portugueses ou estrangeiros que exerçam atividade profissional ou residam no território”.

Mas não podemos desanimar. Sempre existe alguém disposto a realizar todo o processo e te dar uma oportunidade. Aqui em Faro a cidade gira em torno da Universidade e existem muitas opções de part-times, ou seja, meio-períodos, para que os alunos consigam trabalhar e estudar.

Basta tu chegar e ir atrás, largar currículos, que as oportunidades aparecem.

Outras opções:

Além do contrato, em Portugal foi criado um método de trabalho por “recibos verdes”. Nada mais que uma prestação de serviço. Tu trabalha e recebe como se fosse um trabalhador autônomo, podendo até contribuir para a Segurança Social. É uma alternativa para uma empresa que tem urgência. (Algumas até preferem, por não precisar pagar as taxas de um funcionário com contrato)

Existem também alguns freelancers, como garçons, bartenders, etc. Esses geralmente não têm contrato e tu ganha por dia/noite de trabalho.

adult-alcohol-alcohol-bottles-681846.jpg
Foto: pexels.com

Por fim, tem os trabalhos que pagam somente por comissão de venda, onde também não é preciso contrato.

Eu considero como última alternativa.

Tem interesse em vir para Portugal para trabalhar?

A diferença de quem vem com visto de estudo, para quem quer vir apenas para trabalhar, é que na hora de tirar o visto de residência, já será preciso apresentar o contrato da empresa que deseja contar com teus serviços, além de todos os outros documentos.

Nesse caso, a dificuldade é um pouco maior porque uma empresa, em geral, não vai querer contratar alguém que ainda não está no país e que talvez nem conheça pessoalmente. Porém, com um bom currículo, boa apresentação e bons contatos, isso pode acontecer.

Conheço pessoas que vieram como turistas (prazo máximo de estadia de 90 dias), conseguiram trabalho durante esse período e puderam solicitar o visto de residência já em Portugal.

Onde procurar vagas:

Dúvidas? Comente! Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook e Instagram.

Onde morar em Faro?

Como vimos no post sobre os vistos para Portugal, a declaração de alojamento é um documento imprescindível se tu quiser viajar. Nisso, surge a dúvida de onde morar.

Quais são as opções?

Residências universitárias:

A Universidade do Algarve possui alguns prédios espalhados por Faro, Gambelas e Portimão, as cidades onde existem os campi.

O preço delas atualmente é 110,00 euros por mês para quarto compartilhado (apenas com mais um aluno) e 160,00€ para quarto individual.

Quem escolhe em qual residência o aluno fica é a própria universidade conforme o curso e campus de estudo.

Sem Título

Porém, não existe certeza de que tu conseguirá uma vaga.

Com o aumento do número de alunos nos últimos anos, as vagas nos alojamentos começaram a ter candidaturas. Após o período de matrículas, a universidade enviará um email com as instruções para quem quiser concorrer.

Sobre a infraestrutura, as cozinhas são equipadas com geladeira, fogão, microondas e torradeira (geralmente). É preciso comprar comprar prato, talheres, copo, etc.

Às vezes os alunos deixam coisas para trás quando se mudam, então pode não precisar.

Para a lavanderia, é preciso comprar sabão e amaciante. As máquinas de lavar ficam disponíveis, assim como os varais para secar as roupas.

Travesseiro, cobertas e roupas de cama são fornecidas.

Além disso, existe o serviço de limpeza para as áreas de uso comum e troca dos lençóis e toalhas, ficando apenas a organização do quarto como tua obrigação.

A universidade providencia algumas vagas extras – com preços em conta – durante a segunda quinzena de Agosto e a primeira semana de Setembro para quem não conseguiu um lugar fixo na residência. Esse tempo deve ser usado para o estudante procurar algum lugar para morar.

Apartamentos:

Outra alternativa é alugar e/ou dividir um apartamento.

Em 90% dos casos, os donos não fazem contrato, até por ter muitos alunos que ficam pouco tempo (6 meses ou 1 ano), e também para fugir dos impostos.

Se for com contrato, tu vais precisar do passaporte e NIF, o número de contribuinte (como se fosse o CPF), que tu consegues fazer quando chega em Portugal.

Sendo assim, ou tu entra em um apê já alugado que tenha vaga (o que geralmente acontece no começo dos semestres quando alguns “erasmus” vão embora) ou fica por uns dias na residência da UAlg, faz o NIF, e aluga por conta própria.

Dividindo o aluguel, geralmente fica entre 180 e 250 euros por mês já com contas incluídas. Em alguns casos, os donos cobram uma caução no valor de um mês como garantia, que é utilizado no mês de saída.

Localização:

Um fator importante é a localização. Isso vai depender de cada pessoa.

Tem gente que gosta de morar próximo ao campus onde estuda. Outros preferem um meio-termo, entre a universidade e a Baixa de Faro, onde fica a marina e as ruas das festas e pubs.

Eu acho interessante achar um lugar que fique no meio do caminho de tudo: universidade, supermercado, hospital e estação de ônibus/trem.

Dessa forma, dá pra fazer quase tudo sem depender de transporte.

Montenegro e Gambelas:

Além do campus da Penha e da Escola de Saúde em Faro, a UAlg tem o campus de Gambelas, em Montenegro, um concelho de Faro, que fica há 15min de ônibus.

É uma região que consegue ser mais tranquila que Faro, pois não tem tantas habitações.

Antes, a minha sugestão era de morar em Faro mesmo para quem estudasse em Gambelas.

Porém, como falei acima, isso vai depender de cada um, porque existem pessoas que preferem lugares mais calmos e podem muito bem curtir viver assim.

O que eu posso dizer é que as opções de comércio por lá são bem menores. Porém, tem um hospital privado muito bom próximo ao campus.

Outra situação que pode complicar é a questão do transporte, que fica com poucos horários aos fins de semana e na época de férias.

Por não ter tanta coisa para fazer, a saída pode ser fazer o passe mensal do ônibus para chegar lá, que custa em torno de 30€ – ou então usar uma bike.

Praia de Faro:

Essa tem sido a alternativa procurada por alguns estudantes, geralmente de mobilidade.

A dificuldade fica na locomoção, pois as opções de horários de ônibus são menores.

Tem a opção da bicicleta, mas que às vezes pode ser inviável por questão de tempo ou fôlego mesmo, haha. São 9km até Faro.

Já os valores de aluguel não mudam muito. Porém, em quase todos os casos, os donos das moradias solicitam a saída ao fim das aulas, pois no verão eles alugam para turistas por valores muito mais altos.

Links para procurar alojamento:

Dúvidas? Comente! Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook e Instagram.

 

Bolsa de estudos na Universidade do Algarve

A boa notícia é que existem bolsas de estudos para brasileiros sim.

A ruim é que, por enquanto, são poucas e não são de 100%. Ou seja, elas apenas contemplam uma parte da taxa anual.

Para 2018/2019 a taxa fica reduzida a 1.100 euros por ano.

E esse é um assunto muito importante, pois tenho certeza que elas viabilizariam a vinda de mais alunos para Portugal.

E como conseguir essa bolsa?

Bom, como eu disse, não são muitas bolsas disponibilizadas. Para cada curso existe uma ou, no máximo, duas. Além disso, elas são atribuídas prioritariamente aos candidatos da 1ª fase, transitando sucessivamente para as fases seguintes caso não tenham sido contempladas.

E a parte principal é que são bolsas de mérito. Isso quer dizer que os candidatos com melhores notas é que ganham essas bolsas.

Tempo é dinheiro.

Mas, como eu disse, a universidade dá preferência para quem se inscreve na 1ª fase de candidaturas. Isso quer dizer que um estudante que tenha nota média de 600 pontos, e ela seja a maior nota da primeira etapa, pode ganhar a bolsa enquanto outro estudante inscrito na 2ª fase, e com média de 700, não.

Portanto, se tu tens vontade de vir, tenta decidir logo.

Ainda existem outras bolsas de estudos concedidas pelo Serviços de Ação Social, porém elas são apenas para estudantes portugueses. A justificativa é meio óbvia. Quem “patrocina” essas bolsas é o governo de Portugal, e eles não subsidiam alunos de outros países.

Quer saber se tens chance? Então clica AQUI.

E veja o número de vagas, número de candidatos, nota de corte e nota de bolsa, para todos os cursos, do processo seletivo de 2017/18 da Universidade do Algarve.

Dúvidas? Comente! Para mais conteúdos, curte e segue nosso Facebook e Instagram!

 

Quanto custa estudar na Universidade do Algarve?

Será que é muito caro?

Pelo menos foi isso que eu pensei a primeira vez que vi a notícia dizendo que eu podia estudar em Portugal.

Para começo de conversa, preciso te dizer que em Portugal as universidades públicas são pagas, assim como as privadas – obviamente. A diferença é que o custo é bem menor.

As universidades possuem programas de Estudante Internacional. Ou seja, estrangeiros têm uma cota no número de vagas disponíveis todos os anos para ingresso no ensino superior para vir e estudar em Portugal durante todo o período do curso.

Ou seja, não estamos falando de mobilidade ou intercâmbio.

Para os brasileiros, graças a um tratado entre Brasil e Portugal, podemos usar a nota do ENEM para se candidatar. Atualmente, 20 instituições lusitanas selecionam os alunos dessa maneira.

Fazendo os cálculos.

Na Universidade do Algarve, a propina (sim, é como eles chamam) – ou taxa anual acadêmica – é de 2.000 euros para alguns cursos e 3.500 euros para outros cursos. Isso para quem entrar no ano letivo 2018/2019.

Para cada curso existem também uma ou duas bolsas de incentivo, reduzindo a taxa para 1.100 euros.

Como o próprio nome diz, essa é uma taxa que corresponde ao ano. Porém, é possível parcelar. Não em 12x, como estamos acostumados, mas sim em 8x (na verdade, 1+7).

No caso, tu paga uma parte do valor (525€) no ato da matrícula e divide o restante em 7 parcelas. Os pagamentos ficam para outubro, novembro, fevereiro, março, abril, maio e junho.

Então, por exemplo, se você conseguir entrar no curso de Ciências da Comunicação, cujo valor da taxa é €2.000, vai pagar €500 (mais a taxa de inscrição de €25) e o restante fica dividido em 7x.

Ou então, o curso de Engenharia Civil, onde o custo anual é de €3.500, tu vai pagar os €500 (mais uma taxa de inscrição de €25) e os €3.000 que restam ficam divididos em 7x.

Agora, se tu for converter isso para reais, tu vai ter que fazer um “investimento” de cerca de R$2.000, mais 7x de R$860 (conversões aproximadas).

PS: essa situação se repete todos os anos em que tu estiver cursando a faculdade, não apenas no primeiro. Portanto, no 2º, 3º e 4º ano do seu curso, a rematrícula funcionará da mesma forma. A diferença é que o valor de 525€ é pago em Julho.

E o que mais?

Claro que eu estou falando apenas do valor da universidade. Já que estamos aqui para morar, temos que levar em conta também os custos com residência, alimentação, etc.

Pode também ser interessante (e muitas vezes necessário) para ti conciliar um trabalho com o estudo. De preferência um part-time (meio-período, geralmente 4h/dia), para que teu desempenho acadêmico não seja comprometido.

Se ficou interessado, tire mais dúvidas no site da UAlg.

Dúvidas? Deixa teu comentário! Para mais conteúdos, curte e segue nosso Facebook e Instagram!