História dos Trajes Universitários

Quem nunca viu Harry Potter?

hpcostume_style1

A história do bruxinho foi escrita por J.K Rowling, que morou em Portugal durante muitos anos e, inclusive, tem uma filha com um português.

Bom, e o que isso tem a ver com os tais trajes académicos? Muita coisa!

Os trajes das universidades portuguesas muitas vezes são comparados com as roupas da história dos livros e filmes. O que ainda muita gente não sabe é que a autora se baseou, de fato, nas roupas dos estudantes do Porto para criar o uniforme da escola de Hogwarts.

Mas de onde veio essa cultura?

Precisamos voltar muuuitos anos para tentar entender.

A questão é que alguns séculos atrás, o ensino universitário era exclusivo da Igreja, tanto em relação aos professores, como os estudantes.

Desta forma, os clérigos vestiam-se conforme a regra da sua ordem e hierarquia, sempre com a capa e a batina de vestimenta.

Estudante_da_Universidade_de_Coimbra,_século_XVIII.png

Com o passar do tempo e da inserção de novas classes no cenário acadêmico, o traje passou por diversas mudanças até para “fugir” um pouco dessa simbologia eclesiástica.

O motivo dessa uniformização, mesmo após o fim da supremacia da Igreja, era distinguir os estudantes de outros profissionais e reconhecer o “foro acadêmico”.

Além disso, o traje faz com que os alunos sejam iguais academicamente falando. Todos são estudantes, independente de questões sociais e financeiras. Fazendo com que alguém se destaque apenas pela inteligência, já que o traje tem um padrão e deve ser seguido à risca.

Na UAlg:

Assim como em outras instituições de Portugal, a Universidade do Algarve tem o seu próprio traje com suas respectivas características.

E quem pode usar?

Bom, a partir do momento que tu ingressa na universidade, já pode usar a vestimenta. Porém, existem diversas regras a respeito da roupa. Por exemplo, um “caloiro” não pode usar a capa até participar da primeira Semana Acadêmica. Também é proibido o uso de brincos muito grandes, pulseiras, bonés, etc. Fica aqui o link para uma espécie de código com todas as instruções.

Usa se quiser…

Por fim, é preciso deixar claro que o uso não é obrigatório. Esse post serve apenas para mostrar e trazer informação sobre uma tradição muito bonita. Tanto as atividades que devem ser feitas para o uso completo do traje, como os eventos da “praxe” (trote) servem para integrar os novos estudantes ao ambiente universitário e aos colegas, mas não quer dizer que tu será excluído e/ou rejeitado se não usá-lo.

Até porque o valor da roupa gira entre 200 e 300 euros e as pessoas sabem que nem todos têm condições de investir nisso.

Se tu está interessado em estudar na Universidade do Algarve, confere aqui algumas dicas.

Deixo aqui links, onde busquei informações mais completas a respeito da história e regras dos trajes acadêmicos, para aqueles que se interessarem:

Gostou? Curte, compartilha, mostra pros amigos! 🙂

Continue lendo “História dos Trajes Universitários”